Arquivo POP: Freddie Mercury
Arquivo POP: Freddie Mercury

Arquivo POP busca artistas e personalidades de diversas décadas e fazemos um verdadeiro tributo à estes que tanto contribuíram na formação da nossa cultura.


.

Na nossa última edição, relembramos todo o legado, ascensão e formação da estrela de cinema imortal Marilyn Monroe. Faremos hoje, através do nosso Arquivo Pop, aqui no RDT Pop, uma viagem no tempo, até o ano de 1946, no Zanzibar, Tanzânia, e juntos veremos o nascimento, a formação e toda a construção do ícone lendário Freddie Mercury, que além de ter deixado um enorme legado com a banda Queen, era o espetáculo e o rock em si.

.

ARQUIVO POP – EDIÇÃO 03: FREDDIE MERCURY

.

Farrokh Bulsara, ou Freddie Mercury, foi responsável por formar uma das bandas de rock mais consagradas do mundo. Apresentou ao mundo diversos hits e clássicos que foram imortalizados pelo seu tom de voz inigualável e que até hoje são lembrados pelos fãs calorosos.

1946: OS PRIMEIROS ANOS

Freddie nasceu no Zanzibar, na Tanzânia – um país da África. Filho de indianos, eles se mudaram do país de origem para que o pai do menino pudesse manter seu emprego, que era a fonte de sustento da família.

Com apenas oito anos, foi enviado para estudar em uma escola para meninos, na Índia. Neste meio tempo, começou a apreciar a música e foi quando surgiram as primeiras aulas de piano. Seguido disto, montou a sua primeira banda, com seus colegas de escola. A banda, chamada de The Hectics, foi responsável por batizar o menino, de então 12 anos, de “Freddie”.  Ele terminou todo o colegial na mesma escola.

Aos 17 anos, já formado e de volta à África, ele e seus pais se viram obrigados a mudar novamente, indo assim morar em Londres. Já na capital britânica, ele começou a estudar artes – ele concluiu sua graduação, e obteve o diploma. Ao contrário do que era de se esperar, ele não começou a trabalhar naquilo que se formou, antes disso, ele foi vendedor de roupas e chegou a ser atendente no principal aeroporto de Londres.

 

1970: BANDA QUEEN

Freddie era um grande fã da banda Smile – que era formada por Brian May, Tim Staffell e Keith Moon -, antes de ser rebatizada. Freddie era amigo de Tim, que o apresentou pro restante da banda. Um detalhe: ele era louco pra ser vocalista da banda. Os instrumentistas o achavam afeminado – por pintar as unhas e ter o jeitão que nós conhecemos -, porém, era exatamente isso que cativava as pessoas.

Passado um ano, Mercury foi efetivado como cantor principal da banda e partiu dele a sugestão de que o nome da banda fosse alterado para Queen. Segundo o vocalista, a ideia do nome passava a imagem de aristocrática e era muito forte.

Juntos, eles passaram por diversas coisas, até mesmo o desânimo nos primeiros anos de carreira, devido a questões financeiras. Após a enorme persistência e trabalhos como Killer Queen – que figurou no topo da principal parada britânica -, e dois álbuns de estúdio,  o sucesso mundial foi alcançado em 1975. Depois de 1975, lançaram hinos que marcaram a cultura até hoje em dia, como Bohemian Rhapsody“, “Somebody to LoveTie Your Mother Down“.

Ao todo, Freddie Mercury gravou, como vocalista, 14 álbuns de estúdio com a Banda Queen. E além desses discos de sucesso, ele teve dois projetos solo, em paralelo com os trabalhos com a banda.

1986: DESCOBERTA DA DOENÇA

Foi em 1986 que toda a impressa britânica começou a noticiar que ele era portador do vírus da Aids. Freddie negou todos os boatos.

Anos depois, Jim Hutton – que era parceiro do cantor na época -, revelou que o cantor foi diagnosticado sim como soropositivo, mas resolveu negar sempre que perguntado.

A aparência do cantor foi rapidamente afetada pelo vírus, o que fez com que toda a impressa divulgasse inúmeros artigos sobre a quanto andava a saúde de Freddie. Tudo se agravou mais ainda quando os integrantes do Queen resolveram dar uma pausa nos palcos – o que automaticamente reforçou os boatos.

Sua última aparição pública foi no evento do Brit Awards de 1990, onde a banda Queen recebeu uma condecoração de contribuição a música britânica.

1991: MORTE E LEGADO

Freddie Mercury morreu em 1991, vítima de uma pneumonia, que foi agravada mais ainda pelo vírus da Aids. Embora muito se especulasse sobre a doença que o cantor tinha, ele manteve segredo até um dia antes de sua morte, quando foi a público e revelou que era portador do vírus da Aids.

Diversos artistas atribuem a Mercury e seu legado como forte influência. Michael Jackson, em entrevistas, dizia que sempre assistia aos shows da banda, e que seu cantor favorito era Freddie. Axl Rose, vocalista do Guns ‘N Roses, declarou que sua postura em palco era baseada na do cantor, dizendo inclusive que não saberia o que seria dele se não tivesse ouvido o Queen quando criança. Lady Gaga já assumiu publicamente que seu nome artístico foi retirado de uma das canções da Banda Queen, “Radio Ga Ga”, e o descreve como um gênio, que sempre conseguia se reinventar. Kurt Cobain, em sua carta de suicídio, disse que invejava a alegria que Freddie transmitia no palco.

 

.

“Eu não serei um astro do rock, serei uma lenda!”

— Freddie Mercury

.

SUGESTÕES:

Escreve pra gente nos comentários. Sempre lemos e respondemos.
Até o próximo Arquivo Pop aqui no RDT POP.


ARQUIVO POP: LISTE TODOS

« Post anterior Próximo post »
Notícias Relacionadas